Bagagem Leve

2017 – O ano das viagens do bem

Foto: Kalen Emsley

A Organização Mundial do Turismo (OMT), agência da ONU responsável pela promoção do turismo responsável, declarou 2017 como o Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento. Uma grande oportunidade para que nós viajantes e os empresários envolvidos com turismo passem a pensar melhor sobre as viagens, buscando escolhas mais responsáveis e conscientes em seus destinos.

Mas o que isso realmente quer dizer? A OMT define o ‘turismo sustentável’ como aquele que “(…) considera plenamente seus atuais e futuros impactos econômicos, sociais e ambientais, abordando as necessidades dos visitantes, da indústria,do meio ambiente e das comunidades locais”. Dentro do imenso universo do turismo, por onde passam mais de 1 bilhão de viagens internacionais ao ano e um em cada onze empregos no mundo, os impactos que a atividade pode causar e sofrer são diversos. Vão da extinção de culturas e exclusão social à contribuição para o aquecimento global, com cerca de 5% das emissões globais de CO2.

Como qualquer proposta de consumo consciente, a ideia do turismo sustentável existe para buscar um equilíbrio entre iniciativas que reduzam os impactos negativos em um destino, em uma comunidade, em um ecossistema e até mesmo em uma empresa. Em médio e longo prazo, a expectativa é a de que o turismo possa ser um setor mais inclusivo, justo, valorizador de culturas e parceiro do meio-ambiente. Que ele possa até fazer o bem.

De acordo com uma pesquisa feita pelo TripAdvisor com viajantes brasileiros no início de 2016, 65% dos entrevistados estariam dispostos a fazer escolhas de viagens mais sustentáveis neste ano. Dificilmente uma iniciativa será 100% sustentável, mas buscar alternativas para fazer deste um mundo melhor de se viver, virou compromisso de todos nós. Muitas dessas iniciativas já fazem parte das nossas escolhas diárias. A esperança é que elas possam estar presentes nas nossas decisões de viagem também.

Para as novas tribos de viajantes a tarefa tem sido fácil, já que muitos deles buscam experiências mais autênticas, com significado, aproximação com culturas e comunidades locais e destinos menos visitados. Outros tantos têm uma relação natural com a vida ao ar livre, o turismo de aventura e o ecoturismo. Todas essas motivações, somadas a experiências de voluntariado, mochilão, turismo de base comunitária, troca de trabalho por acomodação e descobertas de novas paisagens, podem levar a grandes transformações pelo turismo mais sustentável. Basta termos consciência do que estamos fazendo.

Cada vez mais estão disponíveis informações, ferramentas e plataformas que nos permitem escolher conscientemente hospedagens, restaurantes e operadoras de turismo que optam por boas práticas, valorizam produtos, culturas e comunidades locais e se preocupam com o meio ambiente. Podemos fazer a melhor escolha de uso de transporte, optando por transporte público sempre que possível e até compensando emissões de carbono em programas de companhias aéreas. As redes sociais, blogs e plataformas de discussões nos ajudam a saber mais sobre os atrativos turísticos e entender quais abusam de animais silvestres e quais fazem um trabalho pela conservação.

Cabe a nós, como viajantes e como pessoas, mostrarmos que buscamos um planeta mais equilibrado e positivo, não só em nossas cidades, mas também em nossos destinos pelo mundo. Multiplicar boas práticas e fazer escolhas do bem é também uma forma de fazer com que o próprio setor de turismo se prepare cada vez mais e melhor para os novos turistas conscientes.

Bem-vindo a 2017, o Ano Internacional do Turismo Sustentável!

Sobre o Autor

Ana Duék

Jornalista com Mestrado em Gestão de Turismo e Hospitalidade pela Middlesex University (Londres), cursando MBA em Marketing Digital pela FGV. Acredita que as viagens podem ajudar a formar melhores pessoas e lugares para se viver! Cada um pode encontrar o seu caminho.