Viajante Cultural

Seis povos que comemoram o ano novo em outras datas

O Réveillon se aproxima e, com ele, milhares de festas e celebrações pelo mundo todo. Países comemoram a chegada do novo ano com tradições, rituais e eventos que se repetem anualmente, em 31 de dezembro. Alguns povos e comunidades, porém, não seguem o calendário ocidental gregoriano e fazem suas festas em outras datas. Veja alguns deles:

Foto: www.flocations.com1. Chineses – o ano novo é comemorado com base no calendário chinês, que serve de referência para muitas culturas orientais. Ele é um calendário lunissolar, influenciado pelos movimentos da lua e do sol. O ano novo cai sempre entre a segunda quinzena de janeiro e a primeira de fevereiro. A cada novo ano é também celebrado o início de um novo zodíaco, representado por um dos 12 animais do Horóscopo Chinês. Diversos costumes fazem parte da data, entre eles a troca de envelopes vermelhos com dinheiro dentro. O ano novo chinês é comemorado com festas e paradas no mundo todo em lugares onde a comunidade chinesa é presente, incluindo China, Vietnam, Austrália, Estados Unidos, Inglaterra e Brasil.

2. Hindus – embora a Índia comemore com muita festa o ano novo tradicional ocidental, o Diwali (Festa das Luzes) é uma das celebrações mais simbólicas do povo hindu. Comemorado em três datas diferentes, 1º de março (sul da Índia), 1º de outubro (leste e no centro indiano) e 14 de abril (comunidade tâmil), o réveillon hindu é um momento de purificação e de afastar as forças do mal. Muitas lamparinas incensos e fogos de artifícios iluminam a festa, que é lembrada em diversos países.

3. Judeus – o calendário judaico, também baseado no sol e na lua, já está no ano de 5776. Comemorado pelo povo judeu em Israel e no mundo todo, o Rosh Hashaná, nome dado ao ano novo judaico, cai sempre no mês de setembro (nono mês no calendário gregoriano).A comemoração é feita durante os dois primeiros dias de tishrei, primeiro mês do calendário. Rezas, comidas típicas e o toque do shofar (instrumento feito com o chifre do carneiro) estão entre as tradições que se mantêm por séculos.

4. Mapuches – o povo originário Mapuche, do Chile, celebra em 23 de junho o “We Xipantu” ou “Nquillatún”, que em sua língua significa “ano novo” ou “saída do novo sol”. É a tradição mais importante para o povo e celebra a chegada do inverno e o solstício de inverno (dia 21 de junho), momento em que a Terra mais se distancia do sol. A cerimônia começa no dia 23 com bailes, oferendas e comidas típicas e vai até o amanhecer, quando as famílias banham-se no rio em um ritual de purificação.

5. Maias – diversos povos indígenas descendentes dos antigos maias continuam seguindo seu calendário. Eles estão espalhados principalmente pelo sul do México e América Central. No dia 24 de julho é comemorado o “dia fora do tempo”, quando são realizadas meditações e reflexões para purificação do espírito. No dia seguinte, começa o ano novo.

6. Muçulmanos – o calendário islâmico é acompanhado por muçulmanos no mundo todo. Se baseia no ciclo lunar e retrocede 11 dias a cada ano que passa. O ano atual para os islâmicos é o de 1438. O ano novo representa a Hégira, migração para Medina dos muçulmanos que passaram 13 anos de perseguições, torturas e assassinato em Meca. Durante a celebração, que dura dez dias e é festejada em muitos países árabes, são realizados atos de compaixão e jejum.

Sobre o Autor

Ana Duék

Jornalista com Mestrado em Gestão de Turismo e Hospitalidade pela Middlesex University (Londres), cursando MBA em Marketing Digital pela FGV. Acredita que as viagens podem ajudar a formar melhores pessoas e lugares para se viver! Cada um pode encontrar o seu caminho.