Destino Brasil

Parque das Dunas: um presente para Salvador

Foto: Unidunas

Thomé de Sousa, quando fundou a cidade de Salvador, certamente não imaginou a proporção que a mesma tomaria, tornando-se a 3ª maior cidade do Brasil em quantidade de habitantes. A primeira capital administrativa da colônia foi palco de importantes momentos da história do país e é marcada pela resistência de seu povo.

Banhada pelas águas calmas e tranquilas da Baía de Todos os Santos, reconhecida por grandes nomes da música e literatura e por ser uma cidade que pulsa a cultura afrobrasileira, Salvador guarda verdadeiros tesouros ambientais em seu território.

É o caso do Parque das Dunas, localizado na Área de Proteção Ambiental (APA) Lagoas e Dunas do Abaeté. Com extensão de aproximadamente 6 milhões de m², preserva o ecossistema de dunas e restingas dentro da cidade de Salvador, sendo o último manancial urbano do país nessa categoria. O Parque é uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) e tem como objetivo a sustentabilidade através de suas diretrizes voltadas para educação ambiental, ecoturismo e pesquisas científicas.

O ecossistema de dunas foi formado com o recuo do mar, que há 20 milhões de anos atrás se estendia até a Chapada Diamantina, área de grande relevância ecológica localizada a aproximadamente 400 km de Salvador. Com o recuo do mar, os grãos de areia menos densos foram carregados junto com a água, e os mais densos ficaram fixados nos aclives formados pela maré. É um ecossistema de grande importância para a cidade, pois absorve a salinidade vinda do mar promovendo maior conforto para a população.

Dentro da formação que mais lembra montes de neve, a fauna e flora do parque encantam quem visita. Podemos encontrar diversas espécies de insetos, aves, anfíbios e répteis, entre eles uma variedade de cobras, aranhas, sapos, corujas e o Lagartinho Abaetense (Ameivula Abaetensis), espécie endêmica do parque.

A flora também é bem especial e através dela podemos fazer  uma correlação com a Chapada Diamantina devido ao fato de encontrarmos uma planta característica da região: a Sempre-viva. Ainda podemos observar uma diversidade de cactáceas, bromélias e plantas típicas da restinga. É possível encontrar sete lagoas perenes (água sempre disponível) e 10 lagoas intermitentes (água disponível em um determinado período) .

Foto: UnidunasO visitante é guiado em trilhas interpretativas por monitores bem qualificados que explicam as características do parque e incentivam a pensar criticamente a ação do homem sobre o meio ambiente.  Um dos grandes problemas enfrentados pelo Parque é a possibilidade de ampliação do aeroporto de Salvador que tomaria 2/3 da região das dunas. Além disso, enfrenta também a pressão imobiliária para construção de condomínios habitacionais.

O Parque conta com uma excelente estrutura de suporte para visitantes e pesquisadores com auditório, salas de aulas, centro de compostagem, horto de restinga, minhocário, biblioteca, praça recreativa etc. O trabalho realizado pelo Parque das Dunas é de extrema relevância para a cidade de Salvador e para o meio ambiente de um modo geral. Vale a pena agendar uma trilha e conhecer os encantos da cidade além do roteiro tradicional!

http://unidunas.com.br/

Sobre o Autor

Victoria Leão

Victoria Leão é nascida no Rio de Janeiro, porém fixou residência e o coração em Salvador, Bahia. É Bacharel em Turismo e Hotelaria e atualmente cursa Especialização em Planejamento Urbano e Gestão de Cidades. A crença de que é possível fazer um turismo limpo sempre impulsionou a busca pelo conhecimento das questões socioambientais e culturais.

  • Vitória Libório

    Preciso conheceeer!!! Sei que tem que reservar, mas no caso paga né? Qual a média?