Viajante Natural

Novas regras de visitação em Noronha e no Jalapão

Foto: Thiago Sá | Governo do Tocantins

Se você está planejando sua viagem dos sonhos, fique atento às novas regras de visitação em Noronha e no Jalapão. Com o objetivo de garantir a preservação e a satisfação dos visitantes no Parque Nacional de Fernando de Noronha, em Pernambuco, e no Parque Estadual do Jalapão, no Tocantins, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) divulgaram novas regras para os turistas nos dois parques.

Desde 1 de fevereiro deste ano, interessados em agendar visitas às praias da Atalaia, Abreus, Pontinha/Caieira e à Ilha São José, no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, só podem marcar o passeio com um prazo de antecedência máximo de cinco dias. O ICMBio, responsável pela gestão da autorização, não irá permitir substituições de nome dos inscritos nos passeios. As mudanças foram feitas porque o órgão vinha recebendo muitas reclamações de quem não conseguia vaga para os atrativos.

Por dia, podem visitar a Atalaia 100 pessoas; as piscinas dos Abreus podem receber 24 turistas; a Ilha de São José está disponível para 12 pessoas diariamente; e a trilha Pontinha/Caieira pode ser feita por 40 visitantes. Os interessados devem passar na sede do Parque Nacional para fazer o agendamento.

Veja mais: Viajar para Noronha entre abril e junho fica até 30% mais barato

No caso do Parque Estadual do Jalapão, estão proibidas a partir de agora a abertura de novas estradas ou trilhas e os visitantes não podem tirar nem levar espécies da região, nadar em lagos próximos a dunas, fazer fogueiras nem usar bebids alcoólicas ou substâncias ilícitas no parque. Também está proibido alimentar ou maltratar os animais e bichos de estimação estão proibidos, com exceção de cães guia.

Somente operadoras cadastradas no sistema Cadastur, do Ministério do Turismo, poderão atuar na região. Elas serão as responsáveis pelo recolhimento do lixo produzido. O uso de drones está proibido em todo o parque a não ser em casos específicos, pré-agendados com a Naturatins.

Sobre o Autor

Ana Duék

Jornalista com Mestrado em Gestão de Turismo e Hospitalidade pela Middlesex University (Londres), cursando MBA em Marketing Digital pela FGV. Acredita que as viagens podem ajudar a formar melhores pessoas e lugares para se viver! Cada um pode encontrar o seu caminho.

  • Alzira Vasconcelos Rocha Forte

    Achei tudo muito certo, somente não entendi a proibição dos drones. Poderia ser também aplicado no Parque Nacional da Chapada das Mesas.