Bagagem Leve

Se hospedar em um Airbnb é para você também!

(foto meramente ilustrativa)

Já fui dessas que tinha preconceito e dúvidas sobre se hospedar em um Airbnb. Depois de ficar em um, não tenho mais! Por isso, esse meu post vai para você que ainda pensa: “se hospedar na casa dos outros, para mim não dá!”. Talvez você chegue à conclusão que realmente não dá. Mas vale ler esse post até o final para perceber que o Airbnb pode atender a mais perfis de viajantes do que você imagina!

Meu preconceito era basicamente o fato de, ao optar por um Airbnb, não estar contribuindo para o turismo local ou um “turismo do bem”. Logo eu que defendo a sustentabilidade. Aos poucos, fui entendendo que o Airbnb faz parte da economia do turismo e os anfitriões (como são chamados os proprietários) estão envolvidos diretamente com a movimentação turística e econômica daquela região. Eles são atores tão genuínos quanto qualquer grande rede hoteleira ou pequeno albergue.

Quanto aos impactos ambientais gerados pela hospedagem familiar, fui rapidamente convencida por esta pesquisa do Airbnb, que mostra que elas consomem entre 63 e 78% menos energia do que hotéis; entre 12 e 48% menos água; e que quase 100% dos anfitriões oferece oportunidades de reciclagem a seus hóspedes. De fato, em minha primeira experiência, pude separar o lixo junto com minha anfitriã e senti uma mistura de realização e desapontamento, por não conseguir fazer o mesmo em meu edifício no Rio de Janeiro.

Mas a grande questão era: EU PRECISO DE CONFORTO! Não tenho mais idade, nem disposição (se é que algum dia tive) para passar perrengue. E nem precisei.

Me hospedei, durante uma semana, em uma das casas mais charmosas e aconchegantes que já conheci, com direito a café da manhã, quarto e banheiro exclusivos, dois gatinhos fofos e um autêntico espírito inglês. Já tinha morado por um ano em Londres e voltado algumas outras vezes. Mas confesso que, pela primeira vez, senti o verdadeiro acolhimento local. Fui recebida por uma incrível anfitriã que, sempre sorrindo, nos oferecia conversa e dicas especiais de uma antiga moradora – coisa que concierge dificilmente um concierge poderia fazer.

Foto: Viajar Verde

Posso dizer que não nos faltou nada naquela deliciosa semana em Londres. Com as chaves em mãos, tínhamos a liberdade de ir e vir na hora que quiséssemos e de usar as confortáveis áreas comuns da casa – cozinha, sala, varanda – quando desejássemos. Pagamos a metade do que gastaríamos em um hotel e tivemos uma experiência ainda melhor. Saímos felizes.

Se você procurar com cuidado pela hospedagem com a sua cara, certamente sairá feliz também. Há apartamentos e casas para todos os gostos, tipos e necessidades. Veja estas dicas:

1. Quarto ou apartamento? – decida se você precisa de um apartamento/casa inteiro ou basta um quarto com banheiro exclusivo (ou não) e marque na sua pesquisa. O apartamento inteiro sairá mais caro, mas pode te dar mais liberdade e conforto. Em compensação, no quarto você talvez tenha a oportunidade de conviver com seu anfitrião, tirar dúvidas e pegar boas dicas da cidade;

2. Localização – pesquise bem o local da cidade em que quer se hospedar. Não confie somente na descrição no perfil do apartamento. Recorra ao Google, blogs e veja os comentários de quem já se hospedou naquele Airbnb. Hospedar-se em uma região de difícil acesso pode ser uma grande frustração para uma viagem;

3. Comentários – os comentários de hóspedes são ótimos recursos para confirmar se aquela casa é para você e se o anfitrião combina com seu perfil. Não deixe de ler;

Foto: Viajar Verde4. Regras da casa – leia também com cuidado todas as regras da casa e tudo o que ela oferece. Muitos oferecem roupa de cama, toalha, secador de cabelo, shampoo, ferro de passar, wi-fi, televisão e outras utilidades. Veja se tem tudo o que você vai precisar ou não. Confira se aceitam fumantes, se têm animais, se aceitam animais, festas, se o espaço é acessível;

5. Fale com o anfitrião – se você ainda tiver dúvidas depois de ler as informações da casa, entre em contato com o anfitrião e tire todas as suas dúvidas antes de fazer a reserva. Não confie somente nas fotos. O Airbnb te dá a oportunidade de fazer uma consulta e mandar mensagens privadas a ele antes de fechar a reserva. Além disso, é uma oportunidade para que ele te faça uma oferta com valor eventualmente mais baixo.

6. Política de cancelamento – confira a política de cancelamento daquela casa para não se frustrar posteriormente. Algumas reembolsam integralmente e outras somente 50%.

Sobre o Autor

Ana Duék

Jornalista com Mestrado em Gestão de Turismo e Hospitalidade pela Middlesex University (Londres), cursando MBA em Marketing Digital pela FGV. Acredita que as viagens podem ajudar a formar melhores pessoas e lugares para se viver! Cada um pode encontrar o seu caminho.